terça-feira, 23 de outubro de 2012

O mercado a funcionar (II)

A banca nacional cortou o financiamento às empresas em 6,8 mil milhões de euros este ano. Por outro lado investiu 7,4 mil milhões em dívida pública.
A banca continua a cortar no financiamento às empresas nacionais, apesar dos alertas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e dos apelos do próprio Banco Central Europeu (BCE) que, em Dezembro e Fevereiro, abriu os cordões à bolsa. Os dois leilões de longo-prazo, promovidos pelo BCE, tiveram por objectivo garantir que a banca europeia teria fundos suficientes para assegurar que o crédito continuaria a fluir para a economia, apesar das necessidades de cumprir com dívida a vencer em 2012.
Nesse último leilão, a banca portuguesa levantou quase 8,8 mil milhões de euros, com uma taxa de juro de 1%. Nos dois meses que se seguiram, os bancos investiram 6,3 mil milhões em títulos de dívida pública nacional.
No total os bancos portugueses aumentaram a exposição à dívida soberana do país em 7,4 mil milhões de euros nos primeiros oito meses do ano, de acordo com os dados ontem divulgados pelo Banco de Portugal. Desse montante, 5,4 mil milhões foram canalizados para Obrigações do Tesouro, o que significa que esses títulos terão sido adquiridos em mercado secundário, uma vez que Portugal não emite dívida de médio e longo-prazo desde o pedido de resgate, em Abril de 2011. Ou seja, estas aplicações foram realizadas com o objectivo de investimento e não por necessidade de assegurar o financiamento do Estado. Uma espécie de ‘carry trade', generalizado um pouco por toda a Europa, onde os bancos levantavam o dinheiro a 1% no BCE, aplicando-o logo de seguida em títulos de dívida, cujas ‘yields', no caso da dívida portuguesa, atingiam os 15%.
Banca tira financiamento à economia para lucrar com o Estado
in Diário Económico, 23/10/2012

# edit 25/10/2012:

O bem comum