sábado, 3 de maio de 2014

Querem cortar ainda mais em Educação? Cumpram o Memorando

1. No âmbito do Documento de Estratégia Orçamental (DEO), o governo prepara-se para proceder, em 2015, a um corte de 112 M€ no Ensino Básico e Secundário. Este novo corte no orçamento da educação é justificado, nos termos do DEO, com «poupanças associadas ao retorno obtido das reformas estruturais que têm sido levadas a cabo»; com a «utilização de menores recursos», em resultado da diminuição do número de alunos («dada a evolução da natalidade»); e com a adopção de «medidas de eficiência», como seja «a maior utilização de recursos próprios, em detrimento de estudos e pareceres encomendados no exterior, a racionalização da rede de estabelecimentos escolares e a otimização de recursos de comunicações e Internet».

2. Não há quaisquer indícios, portanto, de que o governo pretenda fazer incidir este corte de 112 M€ nos apoios concedidos a colégios e escolas privadas, às quais foi atribuído, só em 2014, um envelope orçamental de cerca de 183 M€. Deste valor, a maior fatia corresponde a apoios no âmbito dos obscenos Contratos de Associação (149 M€), a maior parte dos quais celebrados com estabelecimentos de ensino particular e cooperativo localizados em contextos onde existe oferta educativa disponível no sistema público. Ou seja, um montante mais do que suficiente para acomodar os cortes que agora se pretendem aplicar no OE de 2015, sendo aliás possível estimar que a simples supressão das situações de manifesta redundância de oferta (que não justificam a nenhum título a manutenção destas rendas privadas parasitas, as verdadeiras gorduras da educação), teria no mínimo permitido poupar, só neste ano, cerca de 79 M€ (que passam a 328 M€ se considerarmos as poupanças que teria sido possível acumular entre 2011 e 2014).


3. Curiosamente, no Memorando de Entendimento, assinado com a troika em Maio de 2011, o Estado português assumiu o compromisso de reduzir e racionalizar «as transferências para escolas privadas com contratos de associação». Contudo, se o governo se revelou exímio no encerramento de escolas públicas, na criação de agrupamentos escolares e na redução drástica de recursos humanos do sistema público de educação, já em matéria de apoios ao sector privado vingaram a cautela e os interesses promíscuos: não só foi abolido o princípio legal de celebração de Contratos de Associação apenas em situações de insuficiência de oferta pública, como se aumentou, em 2014, o financiamento dos Contratos Simples, tendo em vista impulsionar o fraudulento projecto de experimentação do «cheque-ensino». Isto é, a troika que exigia, no Memorando de Entendimento inicial, a redução e racionalização das transferências para os privados, é a mesma troika que fecha agora os olhos ao incumprimento dessa medida e que insiste, uma vez mais, no reforço da asfixia financeira da escola pública. Ora digam lá se o «ajustamento» não é, sobretudo, um programa ideológico ignobilmente dissimulado.

Nuno Serra
in Ladrões de Bicicletas, 1/5/2014

domingo, 30 de março de 2014

[Actualizado] Instalar o Snow Leopard no EeePC 1000HE

Parte 1:
A)
1.- Copiar o conteúdo do DVD original para uma pen USB (Disk Utility, opção 'Restore'…)
2.- Correr o NetbookBootMaker 0.8.4pre.app.
3.- Arrancar o EeePC com a pen USB.
4.- No menu "Utilities", escolher "Disk Utility".
5.- Formatar o disco (não esquecer de seleccionar "GUID Partition Table" nas opções da partição).
6.- Depois de instalado o Snow Leopard, voltar a arrancar com a pen USB.
7.- Escolher "NetBootInstaller" (ignorar o aviso "unsupported device").
8.- Seleccionar apenas as opções "Install Chameleon 2 NBI" e "Install General Extensions".
9.- Reiniciar computador (sem a pen USB).

B)
1.- Correr o Kext Helper e instalar AttansicL1eEthernet.kext, IOBluetoothFamily.kext.
2.- Instalar VoodooHDA.prefpane (pasta "1" do Google Drive).
3.- Substituir a pasta "/Extra" por esta.
4.- Reiniciar computador.
5.- Instalar driver wifi STA_RT2860 D-1.1.2.0 UI-1.7.1.0_2009_02_17.dmg.

Parte 2:
1.- Correr o NetbookInstaller 20100616212351.app.
2.- Seleccionar apenas "Install Chameleon 2 NBI" e "Install General Extensions".
3.- Reiniciar computador.
4.- Instalar MacOSXUpdCombo10.6.7.dmg (no final, NÃO reiniciar!).
5.- Descomprimir mach_kernel_atom_10.7.0(xnu-1504.9.37~1).zip.
6.- Actualizar kernel:

No terminal:
~$ sudo -s
~$ cd /
~$ mv mach_kernel mach_kernel_old
~$ cp ~/desktop/mach_kernel_atom mach_kernel
~$ chown 0:0 mach_kernel

7.- Descomprimir ASUS1000HE_SnowLeopard.zip.
8.- Instalar os kexts desse zip via Kext Helper.
9.- Reiniciar computador.

Parte 3:
1.- Instalar MacOSXUpdCombo10.6.8.dmg (no final, NÃO reiniciar!).
2.- Descomprimir legacy_kernel-10.6.8.bz2.
3.- Actualizar kernel:

No terminal:
~$ sudo -s
~$ cd /
~$ mv mach_kernel mach_kernel_old_1
~$ cp ~/desktop/legacy_kernel-10.6.8 mach_kernel

4.- Reiniciar computador.

Parte 4:
A)
1.- Voltar a correr o NetbookInstaller 20100616212351.app.
2.- Seleccionar apenas "Install Chameleon 2 NBI" e "Install General Extensions".
3.- Reiniciar computador.

B)
1.- Apagar o ficheiro 1201N.DSDT.aml da pasta "/Extra"; copiar o ficheiro dsdt.aml para essa pasta.
2.- Copiar o IOBluetoothFamily.kext do ASUS1000HE_SnowLeopard.zip e o VoodooHDA.kext (pasta "2" do Google Drive) para a pasta "/Extras/GeneralExtensions" e depois correr o programa "UpdateExtra" que está na pasta "/Extra".
3.- Instalar VoodooHDA.prefPane (pasta "2" do Google Drive).
3.- Instalar o AttansicL1eEthernet.kext do ASUS1000HE_SnowLeopard.zip e o SleepEnabler.kext via Kext Helper.
4.- Reiniciar computador.

(clicar na imagem para aumentar)

Google Drive/eeepc1000he

Para mais informações, consultar:
- http://www.insanelymac.com/forum/topic/190295-guide-retail-snow-leopard-install-on-asus-eeepc-1000he/
- http://minhdanh2002.blogspot.pt/2010/10/dual-booting-mac-os-x-1064-and-windows.html
- http://prasys.info/2011/06/howto-macos-x-10-6-8-and-intel-atoms/
- http://www.osx86.net/topic/19547-asus-eee-pc-1000he-1067-battery-problem-solved-for-me/
...
- http://penadigital.blogspot.pt/2009/10/instalar-o-snow-leopard-no-eeepc-1000he.html

# edit 2/4/2014

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Restart the Presses!

It’s been another up and mostly down year for print media and the dwindling number of professionals (writers, editors, paper mill owners, singing-dancing newsies) who still care about nonvirtual publishing.

There were the customary newsroom layoffs, budget parings, revenue shrinkages. The venerable Boston Globe and Washington Post were each sold to billionaires, the papers’ futures, whether as first-rate news sources or playthings, yet to be determined. New York magazine announced that it would scale back to publication every two weeks; The Onion ceased print publication altogether. One of the year’s few bright spots: Newsweek’s brave but seemingly quixotic decision to return to print in 2014. Yes, it could work, many observers thought, and maybe Tiny Tim will live to see another Christmas!

Is such cynicism justified? The thinking here is that if vinyl records, straight razors, slow food and absinthe cocktails can all mount comebacks, there is no reason print can’t as well. The keys are marketing, perception and, frankly, snob appeal, plus a few minor tweaks....

Bruce Handy and Dasha Tolstikova
in The New York Times, 29/12/2013

domingo, 10 de novembro de 2013

sábado, 9 de novembro de 2013

Quem nos defende?

"O Governo não negoceia porque o seu propósito é outro: utilizar a troika para reforçar as suas capacidades políticas em Portugal. Somos um protetorado na medida em que é essa a ambição política de quem nos governa".

(via 365 forte)

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Debian Linux: actualizar glibc

OS: Debian 7 "Wheezy"

... para podermos instalar o MeoCloud (CloudPT-0.0.69.linux-i686.zip) ;)

1.- Abrir o ficheiro "/etc/apt/sources.list" e adicionar o repositório testing do Debian.
~$ su
~$ nano /etc/apt/sources.list


[...]
deb http://ftp.debian.org/debian testing main

2.- Actualizar a lista de repositórios.
~$ apt-get update

3.- Instalar a versão mais recente (2.17-93).
~$ apt-get -t testing install libc6-dev

4.- Reiniciar o sistema.

Nota: Depois de instalado/actualizado, é recomendado comentar a linha referida no ponto 1) para evitar notificações e possíveis actualizações indesejadas do sistema (e, logo de seguida, voltar a actualizar a lista de repositórios...).
~$ nano /etc/apt/sources.list

[...]
# deb http://ftp.debian.org/debian testing main


Para mais informações, consultar:
- http://unix.stackexchange.com/questions/85505/need-to-install-glibc-2-14-on-wheezy
- http://www.debian.org/doc/manuals/apt-howto/ch-apt-get.en.html#s-default-version
...
- https://wiki.debian.org/DebianTesting 

Debian Linux: Canon Pixma MP230

OS: Debian 7 "Wheezy"

1.- Descarregar as drivers aqui (cnijfilter-mp230series-3.80-1-deb.tar.gz e scangearmp-mp230series-2.00-1-deb.tar.gz).

2.- Descomprimir os ficheiros e executar o(s) script(s) como root:

Impressora:
~$ tar -zxvf cnijfilter-mp230series-3.80-1-deb.tar.gz
~$ cd cnijfilter-mp230series-3.80-1-deb
~$ su
~$ ./install.sh


Scanner (ScanGearMP):
~$ tar -zxvf scangearmp-mp230series-2.00-1-deb.tar.gz
~$ cd scangearmp-mp230series-2.00-1-deb
~$ su
~$ ./install.sh


3.- Ligar a multifunções.

O ScanGearMP é o programa da Canon para digitalizar/scannarizar documentos. Mas, por defeito (?), o scanner só é detectado se corrermos o programa (scangearmp) usando a conta root. Para funcionar com a conta base/standard, é necessário fazer o seguinte:

1.- Verificar o "ID" da multifunções.
~$ lsusb

[...]
Bus 001 Device 002: ID 04a9:175f Canon, Inc.
[...]


2.- Abrir o ficheiro "/lib/udev/rules.d/60-libsane.rules" e acrescentar a MP230.
~$ su
~$ nano /lib/udev/rules.d/60-libsane.rules

[...]
# Canon PIXMA MP230
ATTRS{idVendor}=="04a9", ATTRS{idProduct}=="175f", ENV{libsane_matched}="yes"
[...]


3.- Gravar e reiniciar o sistema.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

"Porquê?"

Imagine-se uma escola que garante «um rácio de cinco alunos/professor e 247 funcionários, assim como "piscina coberta, pista de atletismo, campo de futebol de 11 relvado, pista para aeromodelismo, tanques para remo, sala de esgrima, picadeiro (coberto e descoberto) e cavalariças"» (no fundo, um colégio de luxo, que evidentemente selecciona alunos na admissão e até os segrega pelo sexo). Apesar destas condições paradisíacas, os castigos físicos e os abusos de mais velhos sobre mais novos parecem ser não apenas comuns como instituídos e recomendados pela hierarquia paramilitar da escola. Apesar de 600 punições por ano num universo de 400 alunos, os abusos continuam, geração após geração na «lei do silêncio».
«A., que andava no 5.o ano, teve de ser internado por exaustão física e, segundo a acusação, não conseguia dobrar os braços. J. V., com 13 anos, deu entrada no Hospital D. Estefânia com um tímpano perfurado e o ouvido a sangrar depois de ter levado uma chapada com uma luva de cabedal e A. V. ficou numa cadeira de rodas durante um mês. Entre os oito arguidos estão o filho de um embaixador e antigo ministro angolano, os filhos de dois militares da Força Aérea, o filho de um antigo comandante de uma unidade do Exército e o filho de um oficial da PSP que pertence à união de sindicatos da polícia».
Uma escola destas, se fosse privada, seria fechada pela Segurança Social por causa da cultura de abusos prevalecente. No entanto, é estatal: é o Colégio Militar. Esta escola é paga com os nossos impostos.

Ricardo Alves, "A má educação"
in Esquerda Republicana, 10/10/2013

domingo, 1 de setembro de 2013

O boçal

(...) Já alguém se lembrou de perguntar aos 900 mil desempregados de que lhes valeu a Constituição até hoje?

Pedro Passos Coelho no discurso de encerramento da Universidade de Verão do PSD, 1/9/2013.

#edit 2/9/2013:

Pergunte-se aos desempregados