terça-feira, 23 de outubro de 2012

O mercado a funcionar (II)

A banca nacional cortou o financiamento às empresas em 6,8 mil milhões de euros este ano. Por outro lado investiu 7,4 mil milhões em dívida pública.
A banca continua a cortar no financiamento às empresas nacionais, apesar dos alertas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e dos apelos do próprio Banco Central Europeu (BCE) que, em Dezembro e Fevereiro, abriu os cordões à bolsa. Os dois leilões de longo-prazo, promovidos pelo BCE, tiveram por objectivo garantir que a banca europeia teria fundos suficientes para assegurar que o crédito continuaria a fluir para a economia, apesar das necessidades de cumprir com dívida a vencer em 2012.
Nesse último leilão, a banca portuguesa levantou quase 8,8 mil milhões de euros, com uma taxa de juro de 1%. Nos dois meses que se seguiram, os bancos investiram 6,3 mil milhões em títulos de dívida pública nacional.
No total os bancos portugueses aumentaram a exposição à dívida soberana do país em 7,4 mil milhões de euros nos primeiros oito meses do ano, de acordo com os dados ontem divulgados pelo Banco de Portugal. Desse montante, 5,4 mil milhões foram canalizados para Obrigações do Tesouro, o que significa que esses títulos terão sido adquiridos em mercado secundário, uma vez que Portugal não emite dívida de médio e longo-prazo desde o pedido de resgate, em Abril de 2011. Ou seja, estas aplicações foram realizadas com o objectivo de investimento e não por necessidade de assegurar o financiamento do Estado. Uma espécie de ‘carry trade', generalizado um pouco por toda a Europa, onde os bancos levantavam o dinheiro a 1% no BCE, aplicando-o logo de seguida em títulos de dívida, cujas ‘yields', no caso da dívida portuguesa, atingiam os 15%.
Banca tira financiamento à economia para lucrar com o Estado
in Diário Económico, 23/10/2012

# edit 25/10/2012:

O bem comum

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Mac OS X: instalar (manualmente) impressora de rede

(... este post vem na sequência deste).

1.- Ir a System Preferences, Print & Scan.

2.- Clicar no botão “+” para adicionar impressora.

3.- Right-click na toolbar e seleccionar “Customize Toolbar”.

4.- Arrastar o botão “Advanced” para a toolbar. Premir “Done”.

5.- Clicar no botão “Advanced”.

6.- Configurar tipo, endereço e modelo de impressora (ver exemplo abaixo).

7.- Premir “Add”.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Ubuntu Linux: actualizar LibreOffice

1.- Sacar a última versão em www.libreoffice.org.

2.- Remover a versão instalada. No terminal, digitar:
~$ sudo apt-get remove libreoffice*.*

(e para ter a certeza que não restam vestígios... 
sudo apt-get remove --purge libreoffice*.*)

 3.- Descomprimir o ficheiro (LibO_3.6.x_Linux_..._install-deb_....tar.gz)

4.- Aceder à directoria “DEBS” e digitar:
~$ sudo dpkg -i *.deb

5.- Por último, repetir o passo 4 em “DEBS/desktop-integration”.

# edit 10/10/2012:

Dicionários pt_PT (Projecto Natura)

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Vice-presidente do PSD diz que a troika é que lhe paga o salário


(via jugular)

Depois de um ano e meio de mentiras, de incompetência, e quando pensamos que esta gente já não nos consegue surpreender mais, eis que a vice-presidente do PSD tem esta tirada humilhante na casa dos representantes do povo português. É simplesmente abjecto.

Esta energúmena é espelho de um governo desnorteado, derrotado, submisso aos interesses estrangeiros representados na troika e que perdeu toda a noção de dignidade, de honra, de verticalidade. Não pode valer tudo para supostamente ganhar mais uns cobres. Convém lembrar a esta fdp que quem paga o seu ordenado é o contribuinte português. E páro por aqui porque "hoje, há uma força a crescer-me nos dedos e uma raiva a crescer-me nos dentes".

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Refresh (II)

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nullam sit amet odio vitae turpis interdum tristique quis a mi. Quisque hendrerit pretium risus vel consectetur. Nunc dapibus pellentesque justo nec lobortis. New template. Vestibulum dictum fringilla turpis sed tempor. Nunc id nisi diam, vel placerat lacus. Sed sed risus urna, non egestas augue. Phasellus varius volutpat dolor sed blandit.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Android: lista de apps segurança

(esta lista vai sendo editada à medida que for tendo conhecimento de mais apps interessantes).

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Nostalgia (III)

The Cure - "A Forest" (1986)



The Cure - "A Strange Day" (1991)

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Encriptar a pasta "home" após instalação do Ubuntu Linux

Durante a instalação do Ubuntu Linux 12.04 LTS (Precise Pangolin), é-nos dada a possibilidade de encriptar a nossa pasta "home". Se optarmos por encriptar mais tarde, basta seguir os seguintes passos:

1.- Instalar ecryptfs-utils e cryptsetup
~$ sudo apt-get install ecryptfs-utils cryptsetup

2.- Reiniciar em “Recovery Mode”.

3.- Aguardar uns segundos. Quando aparecer o menu, escolher “Drop to root shell prompt”.

4.- Iniciar a encriptação
~$ ecryptfs-­migrate­-home ­­--user utilizador

Nota #1: É criada uma cópia de segurança em /home/utilizador.XXXXXXXX (8 caracteres aleatórios)

Nota #2: Se aparecer uma mensagem informando que o sistema de arquivo é apenas de leitura (read-only), executar o seguinte comando: mount -o remount,rw /

5.- Reiniciar
~$ reboot now

6.- Quando entrarmos na conta, irá aparecer um aviso para memorizar/guardar a chave de recuperação (clicar “Run this action now”). (Em qualquer altura, podemos visualizar a chave de recuperação digitando no terminal ecryptfs-unwrap-passphrase).

7.- Encriptar a partição swap
~$ sudo ecryptfs-setup-swap

8.- Reiniciar.

Nota #3: Ao encriptarmos a pasta "home", a pasta “Public” deixará de estar acessível (é detectada mas inacessível ao exterior). A solução que encontrei foi criar uma pasta pública fora da nossa “home” (ou seja, em vez de /home/utilizador, ser em /home).

~$ cd /home
~$ sudo mkdir share
~$ sudo chmod 777 /home/share


A partir de agora, a pasta pública passa a ser a “share”.

The operation can’t be completed because the original item for “Public” can’t be found.

Solução:

~$ sudo nano /etc/samba/smb.conf

[...]

[Public]
path = /home/utilizador/Public
writeable = yes
browseable = yes
guest ok = yes
available = yes
force user = utilizador
force group = users


Nota #4: Se tudo estiver a correr bem, podemos apagar o backup que foi criado durante o processo de encriptação (ver passo 4): sudo rm -rf /home/utilizador.XXXXXXXX.

# edit 20/08/2013:
- ver "Nota #2" do ponto 4. (Obrigado Eduardo Cavalieri :)

# edit 12/05/2014:
- ver "Nota #3".