sexta-feira, 21 de setembro de 2012

'IIGS

Os líderes dos países mais afectados pela crise do euro - Grécia, Irlanda, Espanha e Itália - estão hoje reunidos em Roma a convite do primeiro-ministro italiano, Mário Monti, para discutirem o futuro da moeda europeia e procurarem alternativas à austeridade como única solução para sair da crise, nomeadamente através de promoção de políticas de crescimento na Europa.

Portugal não está presente.

Isto é deprimente.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Mac OS X: Samba 3, versão open source

Desde o OS X 10.7(*) que tenho tido alguns problemas na partilha de ficheiros entre o meu MacBook e os PCs com o Windows da empresa (a única excepção é o PC com o Ubuntu Linux - parece que foram feitos um para o outro ;), sobretudo no acesso às pastas partilhadas via conta "guest". Recorrendo ao Google, tenho arranjado algumas soluções provisórias/imediatas, nomeadamente através de pequenos "tweaks" no registry (ver exemplo aqui).

Farto de procurar por "remendos", resolvi instalar a versão open source do Samba 3 e, até agora, parece que todos os problemas de compatibilidade foram resolvidos :) Os PCs com o Windows já encontram e acedem de imediato à minha pasta "pública", incluindo via conta "guest". Também o acesso às impressoras partilhadas parece ser agora mais rápido.

Para quem quiser experimentar, aqui ficam os passos que eu dei:

1.- Confirmar que a opção "File Sharing" está desactivada (System Preferences, Sharing).

2.- Desactivar o serviço com.apple.netbiosd (Apple's SMB server)
~$ sudo mv /System/Library/LaunchDaemons/com.apple.netbiosd.plist com.apple.netbiosd.bak

3.- Reiniciar.

4.- Instalar o Samba 3 no OS X via MacPorts
~$ sudo port install samba3

5.- Copiar smb.sample para smb.conf
~$ sudo cp /opt/local/etc/samba3/smb.conf.sample /opt/local/etc/samba3/smb.conf

6.- Editar/configurar smb.conf (configuração de modo a permitir o acesso "guest")
~$ sudo nano /opt/local/etc/samba3/smb.conf
#======================= Global Settings =====================================
[global]
   workgroup = WORKGROUP
   server string = Samba Server on (%L)
   netbios name = gandalf
   security = user
   Map to guest = Bad User
...   
#============================ Share Definitions ==============================
...
[share]
   comment = MacBook
   path = /Users/Shared/share
  
browseable = yes
   guest ok = yes
   create mask = 644

   directory mask = 755
   read only = no


7.- Iniciar samba3
~$ sudo /opt/local/sbin/smbd -D && sudo /opt/local/sbin/nmbd -D

There.

(*) Apple replaces Samba for Windows networking services (because of GPLv3).


Inicar/parar serviço via launchctl:
~$ sudo launchctl start|stop org.samba.nmbd
~$ sudo launchctl start|stop org.samba.smbd


Ficheiros (serviço):

1.- Criar ficheiro org.samba.nmbd.plist:
~$ sudo nano /Library/LaunchDaemons/org.samba.nmbd.plist

2.- Copy/paste:
 <?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>  
 <!DOCTYPE plist PUBLIC "-//Apple//DTD PLIST 1.0//EN" "http://www.apple.com/DTDs/PropertyList-1.0.dtd">  
 <plist version="1.0">  
 <dict>  
      <key>Label</key>  
      <string>org.samba.nmbd</string>  
      <key>OnDemand</key>  
      <false/>  
      <key>ProgramArguments</key>  
      <array>  
           <string>/opt/local/sbin/nmbd</string>  
           <string>-F</string>  
      </array>  
      <key>RunAtLoad</key>  
      <true/>  
      <key>ServiceDescription</key>  
      <string>netbios</string>  
 </dict>  
 </plist>  

3.- Criar ficheiro org.samba.smbd.plist:
~$ sudo nano /Library/LaunchDaemons/org.samba.smbd.plist

4.- Copy/paste:
 <?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>  
 <!DOCTYPE plist PUBLIC "-//Apple//DTD PLIST 1.0//EN" "http://www.apple.com/DTDs/PropertyList-1.0.dtd">  
 <plist version="1.0">  
 <dict>  
      <key>Label</key>  
      <string>org.samba.smbd</string>  
      <key>OnDemand</key>  
      <true/>  
      <key>ProgramArguments</key>  
      <array>  
           <string>/opt/local/sbin/smbd</string>  
           <string>-Fs</string>  
           <string>/opt/local/etc/samba3/smb.conf</string>  
      </array>  
      <key>RunAtLoad</key>  
      <true/>  
      <key>ServiceDescription</key>  
      <string>samba</string>  
 </dict>  
 </plist>  

5.- Reiniciar.

Ficheiro applescript (por ex., para correr em contas "standard"):
 display dialog "Samba3 disabler.  
 Version 1.1.1  
 Support for Lion/Mountain Lion." buttons {"Enable", "Disable", "Cancel"} with icon stop  
 set userChoice to button returned of result  
 if userChoice = "Enable" then  
      do shell script "launchctl load -w /Library/LaunchDaemons/org.samba.nmbd.plist" with administrator privileges  
      do shell script "launchctl load -w /Library/LaunchDaemons/org.samba.smbd.plist" with administrator privileges  
      do shell script "launchctl start org.samba.nmbd" with administrator privileges  
      do shell script "launchctl start org.samba.smbd" with administrator privileges  
 else if userChoice = "Disable" then  
      do shell script "launchctl stop org.samba.nmbd" with administrator privileges  
      do shell script "launchctl stop org.samba.smbd" with administrator privileges  
      do shell script "launchctl unload -w /Library/LaunchDaemons/org.samba.nmbd.plist" with administrator privileges  
      do shell script "launchctl unload -w /Library/LaunchDaemons/org.samba.smbd.plist" with administrator privileges  
 else if userChoise = "Cancel" then  
      return  
 end if  

# edit 27/05/2013

sábado, 15 de setembro de 2012

sábado, 8 de setembro de 2012

A cobardia (e a iliteracia económica) como modo de ser

Passos voltou hoje a revelar toda a sua cobardia política. A decisão de ontem foi a forma que o governo arranjou de implementar a sua visão para a competitividade do país, i.e. redução salarial. O tal primeiro ministro que quer transformar estruturalmente a economia nacional e democratizar o país não tem outra ideia para o país que não a via Bangladesh para a competitividade. O homem que começou o discurso de ontem prometendo franqueza, usou a decisão do Tribunal Constitucional como pretexto para uma opção que nada tem que ver com o debate em torno dos cortes dos subsídio de férias e natal dos funcionários públicos e dos pensionistas.
No mundo em que vive Passos, reduzir os custos salariais das empresas (de todas - grandes, pequenas, exportadoras, não-exportadoras) vai melhorar a tesouraria, promover a criação de emprego e dinamizar as exportações. Como é evidente, isto é só verdade num mundo ceteris paribus e outras fantasias de alguma 'ciência' económica. Se é verdade que as empresas ganham em redução de custos, não é menos verdade que perdem em procura e vendas, porque esta medida deprime, ainda mais, a procura interna e o consumo. No mundo em que vivemos, o efeito na tesouraria é necessariamente indeterminado. Também não se percebe em que medida é que as empresas irão contratar mais trabalhadores, porque a procura, que é o que determina as necessidades de emprego, ou fica igual (empresas exportadoras) ou cai (empresas que produzem para o mercado interno). A ideia do aumento da competitividade das exportações também não tem grande sustentação: não só não é líquido que as empresas tenham margem para baixar muito os preços do que produzem (custos laborais são cerca de 13% dos seus custos totais), como, mesmo que os baixassem, está por provar que isso se traduziria em aumento das exportações. A coisa torna-se ainda mais grave quando percebemos que esta estratégia de compressão salarial está em curso em toda a Europa, o que anula quaisquer hipotéticos ganhos de competitividade (a competitividade é um conceito relativo, não absoluto). Apresentar esta medida como um estimulo ao emprego e um reforço da competitividade é a prova da iliteracia económica de quem nos governa.

João Galamba
in Jugular, 08/09/2012
# edit 13/09/2012: Intervenção na A.R..

Microsoft Security Essentials Updates

No site oficial do Microsoft Security Essentials somos informados que as actualizações são automaticamente efectuadas em segundo plano após a sua instalação. Mas a verdade é que nem sempre isto acontece e, por várias vezes, aparece um aviso a lembrar que a base de dados está desactualizada.

Contudo, é possível contornar esta situação recorrendo ao "Programador de Tarefas" de modo a garantir que as actualizações sejam, de facto, efectuadas automática e regularmente. Basta criar uma tarefa básica para o ficheiro "C:\Program Files\Microsoft Security Essentials\MpCmdRun.exe" e inserir no campo "Adicionar argumentos (opcional)" o argumento "SignatureUpdate". (As instruções podem ser consultadas aqui). A partir deste momento, o MSE irá ser actualizado de acordo com o horário especificado.

Nota #1: Para não aparecer a janela da "Linha de comandos" (cmd.exe) cada vez que arranca o "Programador de Tarefas", é necessário mudar o utilizador (conta) para "SYSTEM" (NT AUTHORITY\SYSTEM).

Nota #2: Pessoalmente, costumo recomendar o Avira. O MSE tem a vantagem de ser possível instalar *legalmente* numa pequena e média empresa num máximo de 10 PCs.